• Virginia Langhammer

"Bate-papo" about language learning with Camila Barcelos

Updated: Mar 13, 2019





Transcription of the Video


*Read original version in Portuguese at the end.


Hi everyone, Virginia here.


Today, I'm going to have a chat with my dear friend, Camila Barcelos. This is the second video of the series: chat. I created this series for you to have the opportunity to listen to new accents, to learn a little about Brazilian culture, and to listen to an authentic conversation in Portuguese.


So, let's get started.


Virginia: Cami, talk a little bit about yourself. Where you are from?


Camila: I'm from Belo Horizonte. It’s a city in the state of Minas Gerais. Minas Gerais is one of the largest states in Brazil. It’s located in the Southeast. In Minas Gerais, we have a very strong culture of art, dance, and theater. And besides that, we have a food, a typical cuisine from Minas Gerais’ countryside.


Virginia: Wonderful.


Camila: Very flavorful. We have the famous cheese bread.


Virginia: The best cheese bread!


Camila: Yes, we usually say that it's too good.


Virginia: Camilinha, what are you doing here in New York now?


Camila: I came to New York to deepen my studies in yoga. I’m a yoga instructor, and I’m taking this course, which is a modular course. So, I was here in October, I spent a week, now I came back in February, in the cold winter, to spend another two weeks and I'm coming back in June. And it has been a wonderful experience to come back to this place where I lived a few years ago.


Virginia: Yes, I want to talk a little about your experience of living abroad, which is the subject I would like to talk about today, about your experience with other languages. I know you speak several languages. I would like to talk about language learning and I would like you to share with us some of your experience. What languages ​​do you speak?


Camila: I speak Portuguese, which is my mother tongue, Spanish that is my husband's language, and English, which I learned as a child at school.


Virginia: Tell us a little about your English learning. Why did you start studying? How was your experience learning English?


Camila: Sure. I learned English because my parents wanted it, they thought it was important for me to learn a second language. Portuguese is not a very popular language, right? So, they wanted me to learn English, so I could travel and be able to express myself.


So, I started with an English school. It was a British English school. And then, as it is part of the Brazilian culture, in my teens, at the age of 16, I joined a cultural exchange program. And in this exchange program, I went to Australia and lived in the house of an Australian family. So that's when I had real contact with the language.


Virginia: What was your greatest difficulty during this time?


Camila: Well, at the first moment, when I arrived in Australia, I was scared because it was very difficult for me to understand and be able to put into practice what I knew only in theory. So, it took me some time to lose the fear of speaking. I was ashamed.

And since it took me time to understand, it was difficult to express myself, my emotions. I was young too. So, it was a challenge that at the same time it was fun, later, to overcome.


Virginia: How old were you then?


Camila: I was sixteen years old.


Virginia: You talked about fear, right? I think this really is one of the things that most hold you back in language learning.


Camila: Absolutely.


Virginia: The fear of speaking. And overcoming this fear is one of the most important things.


Camila: Yes. My biggest challenge was precisely the fear, right, to expose myself, to make mistakes. So, that often stopped me, you know? I would get stuck and end up not talking. Later, I understood that I should let go, it's okay to make mistakes, because people want to understand you. So, that was it. The challenge was precisely to let go.


Virginia: It's very nice what you said because I feel that if you can overcome this fear, the language will flow much more. It doesn’t make sense to be afraid because everyone knows how difficult it is to learn languages.


Camila: Exactly.


Virginia: And people know that you're not speaking your mother tongue. So, it’s important to overcome this fear and not be afraid to make mistakes, really. The more mistakes you make the more you’ll learn and the more you will relax and be able to communicate in the language you are learning.


Cami, now tell me a little about your Spanish learning. Why did you learn Spanish? How was your experience?


Camila: Well, Spanish came to me naturally. I didn’t take Spanish classes. I learned from my husband. He is Argentinian. So, I learned by getting familiar with the conversations, and then I lived in Argentina for two years, and it was when I went a little deeper, I expressed myself more with the local people.


Virginia: You learned then in a natural way, right? You didn’t take a traditional course, you learned by listening and communicating. This is really cool, that's how kids learn, right?


Camila: Exactly.


Virginia: Children listen, pay attention and learn to speak the language. I think that's very cool. What was your greatest difficulty in learning Spanish?


Camila: Well, even though it is a language very similar to Portuguese, it's also a language... it's different, right? So, we end up getting confused with a few words, we end up not knowing if we're speaking right or wrong. It's easy for us to understand Spanish, but it's difficult for us to express ourselves and differentiate between what is Portuguese and what is really Spanish. So, it's funny.


Virginia: I understand you completely. I go through the same problem whenever I try to speak Spanish. I also studied Spanish in Argentina. And I have many students who are Spanish speakers and they go through this same problem too. It's very easy to understand Portuguese, right?


My students understand what I say, but they have a hard time speaking because they mix it a lot with Spanish. So, this similarity, it helps and hinders at the same time. It is very easy to understand, but you have to be very careful when speaking to not to mix up both languages. If not, you will be speaking "portunhol" as we say in Brazil.


Cami, you're Brazilian, married to an Argentinian, and you have a cute three-year-old little boy, Mateo. I wanted you to tell us a little bit about how this interaction at home is when it comes to languages. What language do you speak at home? What language do you speak with Mateo? What's his education like?


Camila: Well, Mario and I, we want to encourage Mateo to speak both languages. We think it’s important for him to have his mother tongue, which is Portuguese, from where he is living, but we also want him to learn his father's language. So, the father speaks with him in Spanish and I speak with him in Portuguese.


He already knows the difference between the languages. He knows what is Spanish, he knows what is Portuguese, so we already see that it is a knowledge that we are bringing to him.He speaks, then, Portuguese with me and Spanish with his father, mixing up a little. So, he is still a child who is learning to speak.


Virginia: He's still very little, right? Three years old.


Camila: But it's interesting to see that he already knows how to differentiate that Mommy speaks Portuguese, Daddy speaks Spanish, and there are some words that he already translates from Spanish to Portuguese and vice versa.


Virginia: I think it's really cool what you're doing, and I think it's very important to keep the language of both parents. Mateo will grow up speaking both languages naturally. He will have two mother tongues. I think it's incredible, that's really the ... he's going to be really bilingual, right? He will have two languages that, to him, will be totally natural. I think that's very cool.


Camila: Exactly.


Virginia: Cami, as you know, my followers, my students are learning Brazilian Portuguese. Do you have a tip for them based on your experience with foreign languages learning? What tip can you give them for their learning?


Camila: For sure, my greatest tip is for you to not be ashamed to express yourself, ashamed of making mistakes and know that the other is there trying to understand you, and you can be calm when speaking.


Virginia: I think it's really good what you just said, because especially Brazilians love when they see someone speaking Portuguese, a foreigner speaking Portuguese.


Camila: Yeah, Brazilians are generally very interested in foreigners, in people coming from abroad. So, you can rest assured that you will be able to make mistakes and talk in your own way.


Virginia: Cami, thank you so much for sharing your experience with us and a have a good trip back to Brazil!


Camila: Thank you. It was a pleasure and come and visit Brazil soon!


Virginia: Okay, everyone. That's it for today. See you next time. Bye-bye!


Bate-papo sobre aprendizado de línguas com Camila Barcelos


Oi pessoal, aqui é a Virginia.


Hoje, eu vou ter um bate-papo com a minha querida amiga, Camila Barcelos. Este é o segundo vídeo da série: bate-papo. Eu criei esta série para que você tenha a oportunidade de ouvir novos sotaques, de aprender um pouco sobre a cultura brasileira, e ouvir uma conversa autêntica em português.


Então, vamos começar.


Virginia: Cami, fale um pouquinho de você. De onde você é?


Camila:Eu sou de Belo Horizonte. É uma cidade no estado de Minas Gerais. Minas Gerais é um dos maiores estados do Brasil. Ele fica no Sudeste. Em Minas Gerais, a gente tem uma cultura da arte, da dança, do teatro muito forte. E além disso, a gente tem uma alimentação, uma culinária típica do interior de Minas.


Virginia: Maravilhosa.


Camila: Muito gostosa. A gente tem o famoso pão de queijo.


Virginia: O melhor pão de queijo!


Camila: Sim, que a gente costuma falar que é “bão demais”.


Virginia: Camilinha, o que você está fazendo aqui em Nova Iorque agora?


Camila: Eu vim pra Nova Iorque aprofundar meus estudos no yôga. Eu sou instrutora de yôga, e eu estou fazendo esse curso que é um curso modular. Então, eu estive aqui em outubro, passei uma semana, agora eu retornei em fevereiro, no inverno frio, passar mais duas semanas e vou voltar em junho. E tem sido uma experiência maravilhosa voltar para esse lugar que eu já morei há uns anos atrás.


Virginia: Sim, eu quero depois falar um pouquinho sobre a sua experiência de morar fora do Brasil, que é justamente o assunto que eu gostaria de conversar hoje, sobre a sua experiência com outras línguas. Eu sei que você fala várias línguas. Eu gostaria de conversar sobre aprendizado de línguas e eu gostaria que você compartilhasse um pouco conosco a sua experiência. Quais línguas você fala?


Camila: Eu falo português, que é minha língua materna, espanhol que é a língua do meu marido, e inglês que eu aprendi quando criança na escola.


Virginia: Fala um pouquinho pra gente sobre o seu aprendizado do inglês. Por que você começou a estudar? Como foi a sua experiência aprendendo inglês?


Camila: Sim. Eu aprendi inglês porque os meus pais queriam, achavam importante eu aprender uma segunda língua. O português não é uma língua muito popular, né? Então, eles queriam que eu aprendesse o inglês para eu conseguir viajar e conseguir me expressar.


Então, eu comecei com uma escola de inglês. Era uma escola de inglês britânica. E depois, como é parte da cultura do brasileiro, na adolescência, aos 16 anos eu fiz um intercâmbio cultural. E nesse intercâmbio, eu fui pra Austrália e morei na casa de uma família australiana. Então foi aí que eu tive o contato real com a língua.


Virginia: Qual foi a sua maior dificuldade nesse período?


Camila: Bom, no primeiro momento, quando eu cheguei na Austrália, eu assustei porque foi muito difícil eu entender e eu conseguir colocar em prática aquilo que estava só na teoria. Então eu levei um tempo pra perder o medo de falar. Eu tinha vergonha.


E como eu demorava pra entender, era difícil me expressar, as minhas emoções. Eu era jovem também. Então foi um desafio que também ao mesmo tempo foi divertido, depois, superar.


Virginia: Quantos anos você tinha nessa época?


Camila: Eu tinha dezesseis anos.


Virginia: Você falou sobre o medo, né? Eu acho que isso realmente é uma das coisas que mais segura você no aprendizado de línguas.


Camila: Com certeza.


Virginia: O medo de falar. E superar esse medo é uma das coisas mais importantes.


Camila: Sim. Meu maior desafio foi justamente o medo, né, de me expor, de falar errado. Então, isso muitas vezes travava, né? Eu ficava travada e acabava não falando. Depois que eu entendi que eu deveria me soltar, tudo bem errar, porque as pessoas querem te entender. Então foi assim. O desafio foi justamente me soltar.


Virginia: É muito legal isso que você falou porque eu sinto que se você conseguir superar esse medo, a língua vai fluir muito mais. Não faz sentido ter medo porque todo mundo sabe que é difícil aprender línguas.


Camila: Exatamente.


Virginia: E as pessoas sabem que você não está falando a sua língua materna. Então é importante superar esse medo e não ter medo de errar mesmo. Quando mais você errar mais você vai aprender e mais você vai se soltar e conseguir se comunicar na língua que você está aprendendo.


Cami, me fala agora um pouquinho sobre o seu aprendizado do espanhol. Por que que você aprendeu espanhol? Como que foi a sua experiência?


Camila: Bom, o espanhol acabou vindo naturalmente. Eu não fiz aulas de espanhol. Eu aprendi com o meu marido. Ele é argentino. Então, eu fui aprendendo me familiarizando nas conversas, e aí eu fui morar na Argentina por dois anos, e aí eu aprofundei um pouco mais, me expressei mais com as pessoas locais.


Virginia: Você aprendeu então de uma maneira natural, né? Você não fez um curso tradicional, você aprendeu ouvindo e se comunicando. É muito legal isso, que é como as crianças aprendem, né?


Camila: Exatamente.


Virginia: As crianças ouvem, prestam atenção e aprendem a falar a língua. Eu acho isso muito legal. Qual foi a sua maior dificuldade no aprendizado do espanhol?


Camila: Bom, apesar de ser uma língua muito similar ao português, é uma língua também... é diferente, né? Então, a gente acaba se confundindo em algumas palavras, a gente acaba não sabendo se está falando certo ou errado. É fácil da gente compreender o espanhol, mas fica difícil a gente se expressar e saber diferenciar o que é o português e o que é o espanhol de verdade. Então, é engraçado.


Virginia: Eu te entendo completamente. Eu passo pelo mesmo problema sempre que eu tento falar espanhol. Eu também estudei espanhol na Argentina. E eu tenho muitos alunos que são falantes de espanhol e eles passam por esse mesmo problema também. É muito fácil entender o português, né?


Os meus alunos entendem o que eu falo, mas eles têm dificuldade de falar porque misturam muito com o espanhol. Então essa similaridade, ela ajuda e atrapalha ao mesmo tempo. É muito fácil entender, mas tem que tomar muito cuidado na hora de falar pra não misturar as duas línguas. Se não, você vai estar falando “portunhol” como a gente fala no Brasil.


Cami, você é brasileira, casada com um argentino, e vocês têm um filhinho fofo, de três anos, o Mateo. Eu queria que você falasse pra gente um pouco sobre como é essa interação em casa com relação às línguas. Qual língua vocês falam em casa? Qual língua vocês falam com o Mateo? Como que é essa educação dele?


Camila: Bom, eu e o Mário, a gente quer estimular o Mateo a falar as duas línguas. A gente acha importante ele ter a língua materna, que é o português, onde ele está morando, mas também a gente quer que ele aprenda a língua do pai. Então, o pai fala com ele em espanhol e eu falo com ele em português.


Ele já sabe a diferenciação das línguas. Ele sabe o que é espanhol, ele sabe o que é português, então isso a gente já vê que é um aprendizado que a gente está trazendo pra ele. Ele então, ele fala português comigo e espanhol com o pai dele, misturando um pouquinho. Então, ele ainda é uma criança que está aprendendo a falar.


Virginia: Ele é muito pequenininho ainda, né? Três anos.


Camila: Mas é interessante ver que ele já sabe diferenciar que a mamãe fala português, o papai fala espanhol, e ele tem umas palavrinhas que ele já traduz do espanhol pro português e vice-versa.


Virginia: Eu acho muito legal isso que vocês estão fazendo, e eu acho muito importante pra manter a língua dos dois pais. O Mateo vai crescer falando as duas línguas naturalmente. Ele vai ter duas línguas maternas. Eu acho isso incrível, que é realmente a... ele vai ser realmente bilíngue, né? Vai ter duas línguas que pra ele vai ser totalmente natural. Eu acho isso muito legal.


Camila: Exatamente.


Virginia: Cami, como você sabe, os meus seguidores, os meus alunos estão aprendendo o português brasileiro. Você tem alguma dica pra eles baseada na sua experiência de aprendizado de línguas estrangeiras? Qual dica você pode dar pra eles no aprendizado deles?


Camila: Com certeza, minha maior dica é pra que vocês não tenham vergonha de se expressar, vergonha de errar e saber que o outro está ali tentando de compreender, e você pode ter calma ao falar.


Virginia: Acho muito legal isso que você falou, porque especialmente o brasileiro adora quando vê alguém falando português, algum estrangeiro falando português.


Camila: É, os brasileiros no geral são pessoas muito interessadas no estrangeiro, em pessoas vindo de fora. Então, podem ficar tranquilos que vocês vão poder errar e falar com o jeitinho de vocês.


Virginia: Cami, muito obrigada por compartilhar a sua experiência conosco e boa viagem de volta ao Brasil!


Camila: Obrigada. Foi um prazer e venham visitar o Brasil logo!


Virginia: Muito bem, pessoal. É isso por hoje. Até a próxima. Tchau, tchau!

Want to learn Portuguese?

 

Get free lessons delivered right to your inbox: